domingo, 19 de janeiro de 2020

POVOS INDÍGENAS: OS XUKURUS





Aulas de Campo:
Relatos de Experiências, vivenciados nas aulas da Disciplina de Ciências das Religiões e Ensino Religioso do Programa de Pós-Graduação em Ciências das Religiões - PPGCR
Universidade Federal da Paraíba - UFPB.
Dias 17; 18; 19 e 20 de maio de 2019
Congresso dos Povos XUKURUS

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, montanha, céu, nuvem, atividades ao ar livre e naturezaA imagem pode conter: uma ou mais pessoas, céu, nuvem e atividades ao ar livre
Imagem - Profª. Jenise Rangel. Cidade de Pesqueira- PE ,
Local onde ocorreu o evento do povo XUKURU -maio de 2019
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé, céu e atividades ao ar livre
Uma das lindas indígenas 
Nesse momento não foram apenas quatro horas aulas, mas, sim 32 horas aulas que aconteceram na cidade de Pesqueira em Pernambuco, onde formos direto para a “Aldeia Xukuru” um lugar muito bonito e aprazível no alto de uma serra com várias ladeiras imensas, numa estrada de barro ou de massapê lisa. Foi um encontro muito bem organizado e estruturado para mais ou menos duas mil (2.000) pessoas.
Chegando lá nos deparamos com uma multidão de pessoas de várias regiões do Brasil, entre estes, além dos indígenas havia ainda, pesquisadores, jornalistas e repórteres estudantes, professores e lideranças partidária / sindicalista, religiosas e mais a população de Pesqueira prestigiando o evento do “Povo Forte Xukuru”.
A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé, céu e atividades ao ar livreA imagem pode conter: 1 pessoa

No 1° dia: 17/ 05 houve uma reflexiva abertura e boas vindas aos participantes e a fala de algumas lideranças, prometendo ser um ato público indígena, mas, muito organizado com toda infra-estrutura para receber os convidados. Aconteceram num mesmo espaço, um lindo barracão de palha, uma espécie de auditório indígena que abrigou a todos que estavam presentes. Foram momentos ímpares de aprendizagem, pois tivemos aula com essas pessoas que pertencem à rica cultura indígena. Basta falar que fica difícil de qualificar suas lutas e perseveranças em seus objetivos. Percebi que estes são exemplos de vida para nós professores de Ensino Religioso. Pois enquanto nós, lutadores professores desistimos no meio do caminho... Esse povo corre e, vai atrás daquilo que lhes tiraram um dia, que são suas terras e seu povo.
No 2° dia: 18/05 antes de iniciar as falas das lideranças... Eles promoveram uma ritualística sincrética através de uma forte espiritualidade e religiosidade. Um momento de rituais de orações invocando Deus, Jesus, Maria e o Espírito Santo. Rezando o Credo, Pai Nosso, Ave Maria com Cânticos exaltando tudo em nome de Deus (Olorum), um sincretismo religioso de Pajelança, excluindo todo o mal, saudando nesse momento as divindades indígenas através dos seus “Encantados” e os “Seres de Luz”. Encerrando esse momento sublime com cânticos, os seus louvores a Deus segundo eles. Em alguns momentos, alguém falava do Deus TUPÃ com muita intensidade e sabedoria.
A imagem pode conter: 4 pessoas, atividades ao ar livre

Esse dia foi muito intenso, pois tivemos diversas explanações, sobretudo que lhes estavam incomodando, principalmente os assassinatos indígenas de seus entes queridos em que deixavam transparecer suas indignações. Entre essas pessoas, estavam as lideranças indígenas, sindicalistas, professores pesquisadores e estudantes indígenas. No meio destes profissionais situavam-se também os outros indígenas que demonstraram em suas falas, as suas reivindicações, metas e objetivos. E assim foi esse dia, porém com muito dinamismo.


A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas no palco, pessoas em pé e atividades ao ar livreA imagem pode conter: 1 pessoa, criança e atividades ao ar livre

No 3° dia: 19/05, esse dia ficará marcado em nossa memória, pois foi o dia que amanheceu chovendo, nos preparamos para irmos pela manhã. Entretanto, nos disseram que carro nenhum estava subindo ou descendo por conta da chuva a ladeira de massapê deslizava muito. Por isso ficamos tristes... Vindas de tão distante e perdermos as ricas palestras! Pois éramos 5 professor/es pesquisador/es (Jenise, Joelma, Surama e Eu Maria José, além do pesquisador nato, o Mestre Falcão)  e não queríamos perder nada sobre esses depoimentos e foi quando este último foi falar com o motorista para nos conduzir mais tarde. E assim aconteceu. Quando chegou a certa altura, havia uma fila imensa de carros e ônibus que não conseguiam subir, foi quando as meninas decidiram descer e subir a pé uma segurando na outra.


A imagem pode conter: 2 pessoas, incluindo Joelma Lucena, pessoas sorrindo, atividades ao ar livreA imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé, montanha, céu, atividades ao ar livre e natureza


Entretanto, eu não consegui descer do carro, pois tudo deslizava, e com isso não arrisquei, tendo em vista as minhas limitações. Contudo foi um momento muito rico para nós, com todas as dificuldades, seguimos avante, para não perdermos as famosas palestras tão significativa para nós. O que mais me chamou a atenção é de saber o quanto esse povo é organizado! Como eu gostaria que nós educadores nos comportássemos assim, com essa garra e energia! Enquanto uns lutam até o fim, alguns se acomodam e outros desistem no caminho, por conta da falta de atenção dos gestores públicos.

A imagem pode conter: 2 pessoas, multidão e atividades ao ar livre

No quarto dia: 20 /05 encerramento com um ato inter-religioso Cristão X Indígena, além de ato político para traçar as diretrizes de reivindicações para o “Povo Xukuru”. O que mais me chamou a atenção foi à organização, o compartilhamento das refeições, o respeito por todas as lideranças o poder das mulheres na organização, no falar nas determinações que foram pontuadas, por elas principalmente a sua participação ativamente nesse evento.
 As mulheres indígenas estão ativamente engajadas nessas lutas com a finalidade de resgatarem tudo aquilo ou parte daquilo que lhes foi tirado um dia. Além de serem fortalezas são determinadas e engajadas nessas lutas indígenas. Tudo isso é muito fascinante... Observamos o exemplo da mestranda Sanderline! A nossa grande “Pajé Potiguara”. Eu fiquei curiosa quando soube que ela era Pajé, pois achava que isso nessa cultura, seria uma função ou cargo somente do homem indígena...
Essa experiência que vivenciei nesses dias desse evento deu-me a oportunidade de (re)viver um pouco mais dessa nossa cultura indígena. Temos muito que aprender, pois são pessoas que estão empenhadas na luta, desde os tempos coloniais, além dos seus afazeres domésticos estão lado a lado tentando e buscando resgatar as suas heranças (que é a Mãe Terra) deixadas para eles e elas pelo GRANDE CHEFE O DEUS TUPÃ.


A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas em pé, multidão e atividades ao ar livreA imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e atividades ao ar livre



Esse último dia foi marcado pela “Marcha e o grito de guerra deles misturados com os delas (indígenas)" que descendo a ladeira da serra não pararam, cantando palavras de ordem ritmadas sem se deixar intimidar, por suas fragilidades por serem mulheres, misturados com os homens, (indígenas) lindo de ver essa manifestação indígena, tão digna de nossos ancestrais.


A imagem pode conter: 2 pessoas, incluindo Eliane Farias, pessoas sorrindo, óculos de solA imagem pode conter: 3 pessoas, incluindo Maria José Torres Holmes, pessoas sorrindo, atividades ao ar livre

Para que serviu essa aula?  
Nesse momento dessas discussões percebemos o quanto ele são organizados e sábios, pois além de ser gratificante em saber o quanto essa luta é compartilhada e pacífica entre eles. Por isso que são fortes! Aprendemos muito com as palestras, além de seus discursos colocando em votação as suas reivindicações.
Avaliação e auto-avaliação: Foi de muita sensibilidade em presenciarmos tanta organização que os deixaram transparecer. Foi um evento edificante onde adquirimos muitas lições de vida. Aprendi muito com a cultura indígena revendo os meus valores e pensando na luta dos professores que deveria ser edificada de acordo com esses modelos de luta. Portanto, auto-avalio-me, também me colocando no lugar deles e delas, sentindo-me mais uma nessa luta que não é somente deles e delas, mas, nossa também.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, nuvem e atividades ao ar livre


Nenhum comentário:

Postar um comentário

A DEUSA LUA

Textos Diversos