DIREITOS HUMANOS E A DIVERSIDADE RELIGIOSA


 



A riqueza da diversidade é um desafio para os estudiosos das religiões, pela complexidade existente entre as religiões. Compreender o significado de todo esse mistério que está atrelado à natureza, a qual faz parte do conhecimento humano que é finito, desperta nos estudiosos um interesse em se aprofundar para descobrir algo mais dessa dimensão infinita. Atualmente com o processo de globalização, que provoca no mundo uma interdependência, onde as diversas culturas religiosas se intensificam e com isso surge a necessidade de manter um diálogo entre essas culturas religiosas, que precisam se unir para uma possível construção de uma cidadania planetária.
O Brasil é considerado um País da diversidade em todos os sentidos uma riqueza cultural que vai de Norte a Sul, de leste a oeste, uma herança deixada desde a época da colonização pela mistura da raça branca, indígena e negra. Dessa miscigenação resultou a grande riqueza da cultura brasileira através da diversidade, quer seja dos costumes tradicionais regionais, fazendo a diferença entre o povo brasileiro envolvendo os aspetos sociais, culturais e religiosos.
Atualmente o respeito à diversidade constitui-se como um fator de desenvolvimento pessoal e social, bem como um caminho para a sustentabilidade ambiental do Planeta. Nessa diversidade inclui-se o ser humano como um ser que precisa ser respeitado pelas suas diferenças, tais como racial, social cultural e religiosa. Segundo Declaração Universal dos Direitos Humanos no Artigo XVIII afirma:

Toda pessoa tem o direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular.

Existe uma bandeira de luta pelo direito à diferença, o que vem despertar nas pessoas, reivindicações pela igualdade, liberdade e fraternidade. Podemos respeitar a posição de cada religião. A paz no mundo só se construirá quando houver esse entendimento entre as pessoas e as tradições religiosas. Daí a importância do Ensino Religioso nas escolas. Que tem como um dos objetivos, promover o diálogo com a diversidade


Com tanta indiferença e desrespeito a outras religiões principalmente em relação às religiões africanas é que no dia 21 de janeiro de 2007, foi instituído “O Dia Nacional de Combate a Intolerância Religiosa”, oficializado pela Lei nº 11.635/ 2007. A data homenageia a sacerdotisa Gildásia dos Santos e Santos, a Mãe Gilda. Ialorixá do terreiro Axé Abassá de Ogum, em Salvador, Mãe Gilda morreu de enfarte, após ver sua foto publicada no jornal de uma igreja evangélica, acompanhada de texto depreciativo. Semanas antes, o terreiro de Mãe Gilda fora invadido por evangélicos. 
Como podemos falar em nome de Deus, Javé, Eloim, Allah, Braman, Olorum, Oxalá, Tupã, Mawu, Zambi, Jahbulon, Akazarus, entre tantos nomes nas diversas religiões, quando desrespeitamos a religião do outro!
A falta de crença também não deve constituir motivo para discriminação ou ódio. Não se deve ofender ou discriminar ateus ou não-religiosos. Um crime causado por tal motivo representa uma séria agressão às liberdades de expressão e opinião e, assim sendo, deve ser denunciado da mesma maneira que todo crime de ódio.
 Inciso VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias.
Aí fica a nossa reflexão. 

Cada um respeitando o Sagrado do outro.

(Diversos sites da Internet).
pt.wikipedia.org/wiki/Nomes_de_Deus
 
SHARE
    Blogger Comentarios
    Facebook Comentarios

1 comentários:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial