quarta-feira, 21 de novembro de 2012

DATA COMEMORATIVA - NOVEMBRO 5 CONSCIÊNCIA NEGRA



No dia 20 de novembro comemora-se o dia da Consciência Negra, isto é uma forma de cultuar a memória e a história da cultura negra no Brasil.
Essa é uma homenagem ao dia da morte de Zumbi dos Palmares, esse grande e bravo lutador que muito fez para salvar o seu povo da escravidão, no período colonial do Brasil.
Essa brilhante ideia foi sugestão do poeta gaúcho Oliveira Silveira ao seu grupo em 1970, como uma forma de conscientizar a população sobre a importância desta data para a comunidade negra. Para o poeta essa era mais importante do que a comemoração da Abolição da Escravatura (13 de maio), através da Lei Áurea, pela Princesa Isabel. 
Esta data foi estabelecida pelo projeto lei número 10.639, no dia 9 de janeiro de 2003. Por isso  foi escolhida o dia de 20 de novembro, pois foi neste dia, no ano de 1695, que morreu Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares.
A importância da criação dessa data serve de reflexão para nós que herdamos essa rica cultura do povo africano, que serve de exemplo na formação do povo brasileiro, tanto na nossa história, quanto nos aspectos  políticos, sociais, gastronômicos e religiosos do Brasil.
Essa foi uma justa homenagem a esse grande líder que defendeu o seu povo com muita luta e muita garra até à morte. Zumbi foi o mártir da liberdade dos escravos.
Este momento histórico é importante para as escolas, é uma forma de levar a valorização deste conhecimento da cultura Afro-Brasileira até aos nossos estudantes. Portanto a História do Povo Africano deve ser desenvolvido nas escolas públicas do  País.

2 comentários:

  1. ensino religioso nos permite andar pelos caminhos da cultura e da diversidade, sendo assim, a importância do ensino religioso nas escolas, está também, em permitir ao professor pode levar seus alunos a refletir sobre temas atuais e importantes, como: Cultura da Paz, Diálogo, Solidariedade, Defesa da Vida, Bullying, Meio Ambiente etc. Como nos lembra a própria LDB, o ensino religioso é parte integrante da formação básica do cidadão. Segundo a Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9394/96, Artigo 33, redação alterada pela Lei nº 9475/97. “O ensino religioso, de matrícula facultativa, é parte integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas quaisquer formas de proselitismo.”

    ResponderExcluir
  2. Através de conteúdos próprios e de metodologia adequada, o Ensino Religioso visa proporcionar ao educando o conhecimento dos elementos básicos que o auxiliem na busca de compreensão das razões de ser religioso e das próprias religiões, para que o respeito mútuo e a tolerância religiosa se efetivem nas relações de saber, de crer e de poder. Como área de conhecimento, obviamente, precisa manter um contínuo diálogo com as demais áreas para as quais é um suporte e das quais recebe contribuições para a compreensão da vida como um todo, sem faltar a dimensão religiosa ou deixando de lado as demais dimensões específicas de outras características humanas explicadas pela Antropologia, Sociologia, Teologia, Filosofia, Psicologia, Lingüística e demais áreas de conhecimento com seu objeto próprio. Este Ensino Religioso, assim entendido e bem compreendido, tem conteúdos e uma metodologia própria que proporcionam uma educação completa, humanizadora, personalizadora e transformadora da realidade de um mundo cada vez mais carente de respeito, de senso crítico, de tolerância, de interesse pelas questões que encaminhem o sujeito em fase de preparação para a vida, na recuperação e promoção do ser humano em sua dignidade, como sujeito e agente da própria história, portador de conhecimento religioso e apto a vivenciar os valores propostos pelas religiões, sem discriminar seus semelhantes por motivo de crença.
    A Escola não pretende transmitir crenças ou apenas valores. Através de conhecimentos e atitudes, educa os alunos à “religiosidade”; ajuda-os a perceberem nas religiões, e mesmo fora delas, o que dá sentido último à vida e motiva o compromisso para a construção da nova sociedade; a construírem, aos poucos, quadros de referência para os seus ideais de vida na atual selva de ofertas, para saberem discernir, recusando o que não constrói personalidade e sociedade sadias; a saberem dialogar, criando convicções próprias e respeitando as dos outros. Assim, a educação deve humanizar e personalizar o ser humano para que ele humanize o seu mundo, produza cultura, transforme e construa a história!
    POSTADO POR TEREZA GOBBI - FALANDO PARA VOCÊ ÀS 13:40

    ResponderExcluir

Paciência - Lenine