terça-feira, 28 de novembro de 2017

TRABALHANDO COM DINÂMICA: Você me completa:


1-Sou um jardim sem flor
1-Eu sou a flor do seu jardim
2-Sou um céu sem estrela
2-Eu sou a estrela do seu céu
3-Sou um mar sem onda
3-Eu sou a onda do seu mar
4-Sou um coração sem amor
4-Eu sou o amor do seu coração
5-Sou uma árvore sem fruto
5-Eu sou o fruto da sua árvore
6-Sou um livro sem leitor
6-Eu sou o leitor do seu livro
7-Sou um ninho sem pássaro
7-Eu sou o pássaro do seu ninho
8-Sou um teatro sem fantoche
8-Eu sou o fantoche do seu teatro
9-Sou um ser sem amigo
9-Eu sou o amigo do seu ser
10-Sou um planeta sem vida
10-Eu sou a vida do seu planeta
11-Sou uma fonte sem a água
11-Eu sou a água da sua fonte
12-Sou um fruto sem a semente
12-Eu sou a semente do seu fruto
13-Sou uma música sem o som
13-Eu sou o som da sua música
14-Sou um rio sem peixe
14-Eu sou o peixe do seu rio
15-Sou uma flor sem perfume
15-Eu sou o perfume de sua flor
16-Sou uma escola sem professor
16-Eu sou o professor da sua escola
17-Sou uma sala de aula sem alunos
17-Eu sou o aluno da sua sala de aula
18-Sou um uma panela sem tampa
18-Eu sou a tampa da sua panela
19-Sou um lápis sem ponta
19-Eu sou a ponta do seu lápis
20-Sou uma caneta sem tinta
20-Eu sou a tinta da sua caneta

Essa dinâmica pode ser trabalhada em apresentações; em confraternizações com amigo secreto...muito boa, alegre e muito divertida.
De acordo com numeração pode ser trabalhada com 40 pessoas.

TRABALHANDO COM DINÂMICAS






AUTO-AVALIAÇÃO GRUPAL

A. Objetivo
Oportunizar reflexão sobre dificuldades e contribuições de cada integrante no grupo.

B. Recursos necessários
Lápis;
Papel ofício.

C. Procedimentos
1. Grupo em círculo, sentado;
2. Distribuir papel e lápis para os membros do grupo;
3. Pedir que respondam por escrito: "Qual a minha maior dificuldade neste grupo?"
4. Recolher todos os escritos, misturá-los e distribuí-los;
5. Cada participante lê alto as dificuldades do outro como se fossem suas e dá sugestões para resolvê-las;

6. Em plenário, o mediador analisar as sugestões surgidas:


* Quais são as maiores dificuldades do grupo?
* Que sugestões chamaram a sua atenção?

* De tudo o que ouviu o que surpreendeu você? 

OBS: Não lembro o site pesquisado.

Essa dinâmica poderá ser aplicada com grupos de docentes e discentes, religiosos e não religiosos entre outros, refletindo sobre uma etapa aplicada em grupo, bem como as dificuldades de trabalhar em grupo e até mesmo de se entrosar com o grande grupo.

sábado, 11 de novembro de 2017

MÃE NATUREZA



Vídeo extraído do Youtube
                       
                                                            (Banda Macucos)


Mãe! És ó mãe natureza
Não deixe o homem te destruir!
Dona da força e da vida,
teu oxigênio mora em mim!

Verde, que te quero verde, e o azul?
Somente o das ondas do meu mar!
Verde, que te quero verde
O prata das águas da chuva!
Verde, que te quero verde, e o amarelo?
O ouro amarelo do rei Sol!

Não se ouve mais o canto de um sabiá
Não se sente o perfume da mais linda flor,
Não se vê o vôo livre, leve, solto,
parado em pleno ar, de um beija-flor!

Não se ouve mais o canto de um sabiá
Não se sente o perfume da mais linda flor
Não se vê o vôo livre, leve, solto,
parado em pleno ar, de um beija-flor!

Imatura mãe, não morre assim!
Natureza mãe, vem nos salvar!
Imatura mãe, não morre assim, não!
Natureza mãe, vem nos salvar!

Mãe! És ó mãe natureza
Não deixe o homem te destruir!
Dona da força e da vida,
teu oxigênio mora em mim!

Verde, que te quero verde, e o azul?
Somente o das ondas do meu mar!
Verde, que te quero verde.
O prata das águas da chuva!
Verde, que te quero verde, e o amarelo?
O ouro amarelo do rei Sol!

Não se ouve mais o canto de um sabiá
Não se sente o perfume da mais linda flor
Não se vê o vôo livre, leve, solto,
parado em pleno ar, de um beija-flor!

Não se ouve mais o canto de um sabiá
Não se sente o perfume da mais linda flor
Não se vê o voo livre, leve, solto,
parado em pleno ar, de um beija-flor!

Imatura mãe, não morre assim!
Natureza mãe, vem nos salvar!
Imatura mãe, não morre assim, não!
Natureza mãe, vem nos salvar!

Não se ouve mais o canto de um sabiá
Não se sente o perfume da mais linda flor
Não se vê o vôo livre, leve, solto,
parado em pleno ar, de um beija-flor!

Não se ouve mais o canto de um sabiá
Não se sente o perfume da mais linda flor
Não se vê o vôo livre, leve, solto,
parado em pleno ar, de um beija-flor!

Imatura mãe, não morre assim!
Natureza mãe, vem nos salvar!
Imatura mãe, não morre assim, não!
Natureza mãe, vem nos salvar!



Vídeo muito bom para reflexão:

1- Trabalhar em sala de aula essa música;
2- Trazer para sala outras músicas que abordem sobre a natureza;
3- Pesquisar nos dicionários as palavras desconhecidas;
4- Reproduzir textos; 
6- Cartazes; 
7-Preparar murais com exposições entre outros.

Referências:
https://www.youtube.com/watch?v=86mS96Tix7w




ASSEMBLÉIA DO POVO DE DEUS

Tela "Operários"de Tarsila do Amaral, retrata
 a mistura de raças que 
compõe a população brasileira.
Cremos no Deus da vida 
e defendemos a vida de nossos povos.
Diante da mundialização do ídolo da morte
que o sistema neoliberal preconiza,
nós proclamamos a mundialização do Deus da vida
e sua presença criadora no universo.

Confessando por mil nomes,
revelando-se a nós, em mil rostos,
através sobretudo da fé cristã, 
das religiões indígenas e
afro-americanas, Ele é sempre maior
que todas as nossas confissões,
mais belo que todas as nossas imagens,
único nos mais diversos encontros.


Como família sua que somos,
nos quer vivos e livres,
plurais e unidos, felizes desde já
nesta casa comum da Terra Pachamama
e sob a carpa luminosa do sol, da lua e das estrelas.
Por Ele e com Ele nos negamos ao fatalismo
de um suposto final da história e rechaçamos
toda exclusão, prepotência, medo e morte.

Em nome do Deus da vida
invocado em todos os nomes prosseguiremos
nossa marcha de peregrinos da Esperança
defendendo a vida, gritando a memória subversiva
e criadora de quantos e quantas nos precederam.


(Trecho da Declaração Final da II Assembléia do Povo de Deus, Colômbia, 14/10/96. )
(Em: Sem Fronteiras, dezembro de 96).
Caderno 2 FONAPER

Excelente texto para ser refletido em sala de aula com os alunos do Fundamental II.

Prezados/as professores usem a criatividade e boa aula!

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

VIDA PÓS-MORTE PARA A DIVERSIDADE RELIGIOSA



A morte trata de uma das certezas da vida terrena! Conhecer o significado da morte é muito importante para os seres humanos. Porém, embora sabendo que esta vida é apenas uma passagem, mesmo assim, deixa-nos temerosos. Existem aqueles que se dizem preparados para quando chegar a sua hora. Outros não gostam nem de ouvir falar neste assunto. O fato é que um dia teremos que partir dessa vida.
A sobrevivência do espírito humano à morte do corpo físico e a crença na vida e no julgamento após a morte já era encontrada na filosofia grega, em especial em Pitágoras, Platão e Plotino.
Na diversidade religiosa o ser humano concebe morte como uma passagem ou viagem de um mundo para outro. Cada crença religiosa interpreta de maneira diferente o falecimento de uma pessoa. Respeitar os rituais é um dever humanitário, que “são ações repetidas de modo regular e previsível, que dão coerência ao processo do tempo [...]”.
Portanto a morte é um rito religioso, com suas diferenças para cada crença religiosa. A isto damos o nome de fenômeno religioso que apresenta diversas maneiras de classificar a vida além-morte de acordo com Luiz Alberto Souza Alves in: Tradições Religiosas e compreensão do mundo e as questões de vida e morte (nimec). Daí é que surgem as perguntas existenciais: De onde vim? Por que vivo? E para onde vou?
Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso apontam o “fenômeno religioso e as respostas para a vida além da morte”, as respostas elaboradas pela humanidade, e que são norteadoras do sentido da vida, as quais são:
·         A Ressurreição: significa que renasce para a vida eterna;
·         A Reencarnação: renasce para outras vidas terrenas;
·         O Ancestral: acredita que os espíritos dos antepassados cuidam da vida de seus descendentes na terra;
·         O Nada: Os que acreditam que não existem outras vidas.

        “As imagens do mundo também incluem relatos sobre o tempo, a natureza humana, o destino e os modos pelos quais os vivos podem continuar a cuidar dos mortos.”

Referências:


Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso: Ensino Religioso, capacitação para o novo milênio (caderno 4, ano 2.000, p.28-33);

Essa temática pode ser estudada pelos alunos/as de 8º e 9º anos, através de:

  • Pesquisas;
  • Produções de textos;
  • Cartazes;
  • vídeos;
  • Murais;
  • Músicas que abordem vida e morte;
  • Palavras cruzadas;
  • Caça palavras entre outras.




Paciência - Lenine