sábado, 14 de julho de 2012

REFLETINDO A CONSTRUÇÃO DA ÁRVORE DOS EIXOS TEMÁTICOS DO ER


                                   RESULTADO DA OFICINA DOS EIXOS TEMÁTICOS DO ER                                                                             
(Autores: Professores de Ensino Religioso)


Estes são os pequenos grãos de mostarda semeados nos Ensino Religioso...

RAIZ: "Nos encontramos em meio a um grande desafio, uma vez que o etnocentrismo religioso suplanta os valores religiosos de outras culturas. É necessário um preparo sócio-antropológico por parte dos docentes para tratar em sala de aula essas questões, de maneira que não ignore os valores e as particularidades de cada tradição cultural, como também uma consciência pautada pela ética religiosa capaz de nos levar a enxergar cada cultura como igual". “O preconceito religioso existe dentro das escolas e se apresenta fortemente nas aulas do ER visto ser um espaço de construção e reflexão do conhecimento. É comum a imposição por parte dos adeptos de várias tradições religiosas, todavia cada professor de ER deve nesse momento, mediar o conhecimento da diversidade religiosa e cultural levando o aluno a perceber a necessidade de compreensão e diálogo interreligioso para convivência pacífica entre os alunos e entre as pessoas”. 
CAULE:“A tradição oral tem sua grande importância por ter o compromisso em passar de geração em geração todo o seu conhecimento cultural religioso. Portanto seus rituais são vivenciados e rememorados constantemente. Na tradição escrita todos os conhecimentos religiosos são registrados para contribuir para a reflexão e prática de sua religiosidade. Embora que dependendo das tradições feitas, podem correr o risco de interpretações do texto sagrado, assim como a tradição oral depende da influência de outras tradições religiosas podem trazer outros elementos agregadores para seus rituais. Ambas as tradições possui importância fundamental para a compreensão da prática, conhecimento, experiência, visão de mundo, de fé e religiosidade, de conhecimento cultural religioso e o fenômeno religioso presente em diversas culturas religiosas”.  “A diferença de um texto sagrado oral e de um texto sagrado escrito é pelo fato de que o texto oral passa o conhecimento cultural e religioso envolvendo os mitos, lendas, rituais a história de pais para filhos de geração em geração (ancestralidade). E o texto escrito é a forma fundamentada da crença religiosa onde esses registros sagrados tornam-se leis e estatutos para serem cumpridos. Todos os textos sagrados (orais e escritos) são relevantes, cada um com sua importância sagrada. “Ambos representam as cores do arco Iris, são lindos exuberantes, participantes e fundamentais na natureza”. Para o conhecimento dessas tradições por outros segmentos religiosos ou estudiosos na área a tradição escrita torna-se mais fácil o entendimento porque a palavra escrita comprova, fundamentaliza e consegue ultrapassar o tempo.”  
FOLHA: VIDA E MORTE-  “O mundo transcendente do ser humano, o que há além da morte, tanto as tradições religiosas orais e escritas interpretam de várias formas o mundo além morte. Na tradição cristã se ensina a ideia de um céu como premiação por uma vida obediente a Deus. E uma ideia de inferno como punição por desobediência. Na tradição budista existe a ideia de vidas sucessivas assim como no espiritismo (Reencarnação) como forma de evolução espiritual. Ancestralidade para outras culturas e o nada, porque existem aqueles que acreditam que após a morte tudo se acaba. Na condição de professor acreditamos que devemos transmitir informações sobre essa temática de forma que contemple a visão das várias crenças, através do debate, diálogo, vídeos, pesquisas entre outros".
FLORES:A Tradição, e o conhecimento, a criatividade, e a interatividade para vencer preconceitos.   "Os  ritos são essenciais nas tradições religiosas. Tudo começa e termina com um ritual no percurso das celebrações. É uma forma de perpetuar o conhecimento, transmitir a comunicação entre as tradições, responder perguntas, interagir e celebrar a história e a memória. "A cultura religiosa por si só traz consigo preconceitos e obstáculos. E cabe a nós educadores utilizar da criatividade na metodologia para desmistificar essas barreiras do preconceito. É possível sim o diálogo! Se as pessoas tomarem consciência da importância do respeito e do diálogo religioso, essas barreiras do preconceito serão amenizadas".
FRUTOS: Pensar uma ética educacional para trabalhar as culturas religiosas é "praticar o não proselitismo em sala de aula, saber respeitar as escolhas de cada um, demonstrando para os alunos o quanto é importante respeitar as religiões dos colegas". "O respeito a tudo e a todos que fazem parte desse mundo é fundamental . A diversidade cultural religiosa, diferença de raças, gênero limitações e deficiências, nos faz repensar que poderemos trabalhar em nossas aulas através da conscientização, da informação, do não preconceito junto às demais culturas diferentes das suas. Princípios para uma ética educacional para o Ensino Religioso:  
  •  O não proselitismo; 
  •  O diálogo interreligioso; 
  • Respeitar a tolerância e a laicidade do nosso País; 
  • Entender  o direito que todas as culturas religiosas tem, 
  • Respeitar as pessoas que dizem não professar nenhuma crença religiosa; 
  • Respeitar a individualidade de cada um; 
  • Cumprir o que preconiza o Artigo 33 da LDB;
  • Partcipar da formação continuada; e do planejamento da escola;
  • Seguir  os preceitos das diretrizes que regem o Ensino religioso;
  • Ter compromisso e responsabilidade não só com as escolas, mas com os alunos e toda comunidade escolar. 
  • Com bases nesses princípios as pessoas poderão ter um bom caráter; humildade, caridade e virtudes; afeto, amor, respeito e fé; prudência tolerância e atitudes responsáveis. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Paciência - Lenine